9 de fevereiro de 2007

"All I know is that I don't know nothing" (já dizia a música do Operation Ivy)

Eu vivo minha vida à custa de muita preocupação. I worry too much and about everything. É a minha paranóia particular. Quanto mais chato é o problema, mais rápido eu quero resolvê-lo, pra acabar logo com ele. Dá o ar tolo de eficiência, de pessoa responsável. Mas ao invés de me sentir livre depois, parece que ao resolver uma coisa, logo encontro outra com a qual me preocupar. E a fila é longa, assim quase nunca deixo de me preocupar. A minha pilha se acumula como uma fila de gente ignorante esperando um funcionário público para atendê-los.
Esse definitivamente é meu maior mal. Afinal, tá cheio de nego por aí que não se preocupa com nada e no fim tem sempre alguém que acaba fazendo a obrigação que era dele, e se ferrando no seu lugar. Dessas pessoas que só fazem o que querem, na hora que querem, eu sempre nutri uma inveja "do bem". Não consigo ser assim desde os, sei lá, 18 anos. A responsabilidade cresce a medida que envelhecemos. E cresce a cada passo que dou nessa cidade desagradável. Um dia de chuva como o de hoje, em que tive que dar voltas pela cracolândia alagada e cheia de lixo faz aflorar essa idéias no meu côco meio ôco. Isso porque às vezes, sem pensar, assumo minha responsabilidade de cidadã nesta sociedade, e quando vejo alguma coisa muito errada nela, sinto um pouco de culpa. Especialmente por pessoas mais humildes e ignorantes do que eu. Essas pessoas que esperam na fila do funcionário público desse sistema falido, imprestável e de fachada.
Será que eu tô ficando louca? Será que eu sou uma chata? Será que eu não estou precisando de férias? Me interno num mosteiro zen-budista do sul que aceite mulheres? Me isolo numa montanha seguindo os rumos de Zaratustra e J.D. Salinger? Desligo o computador e vou assistir um filme de suspense?
Fazer piadas sobre mim mesma até que ajuda...

2 Comments:

At 11:12 AM, Blogger Priscila said...

Eu vivo fazendo piadas de mim mesma pra ver se passa.

 
At 11:52 AM, Blogger Fernanda said...

sei bem. A cada vez que um problema se resolve, uma fila de outros o substitue e eu sempre acho que o problema atual é sempre mais complicado do que o que acabou de passar. Merda ser paranóica. Merda...pensei que estava de bom humor...

 

Postar um comentário

<< Home