30 de março de 2006

A falta de esperança que surge dentro de um ônibus

Ontem estava no ônibus, mais uma vez voltando pra casa, às onze e tantas da noite, quando entra um homem, de muletas e senta no banco ao lado do meu. O sujeito logo se demonstra expansivo, e energético, puxando conversa com outros passageiros. Mas cada comentário que ele faz sobre a vida tem uma ponta de amargura, que me faz sentir um pouco de pena.

Eis que ele solta uma frase que me pinica: “Esses estudantes da USP, hoje em dia não sabem nada. Eles não querem estudar, só se divertir, e gastar o dinheiro dos pais”. Sinto que o ônibus inteiro, lotado de estudantes da USP, se vira para o homem, com um olhar de incômodo. Mas não falo nada. Não estou com vontade de discutir. Uma mulher muito paciente tenta conversar com ele, e diz que sim, tem gente que não está interessada, mas que tem gente que estuda muito. Ela, inclusive.

O próprio homem, como depois percebi com a conversa alheia, não estudou muito, e vive de trabalhos automáticos, que não lhe exigem muito conhecimento, mas algo na cabeça dele, desprovida de informações, lhe fazia achar que os estudantes não estudam, e não servem pra nada.

Pode ser utópico, mas eu estudo por diversos motivos, e um deles é pra melhorar a sociedade, para tentar deixá-la mais civilizada e digna para todos. Mas quando eu tomo contato com pessoas tão fechadas a mudanças, eu perco as esperanças. A cultura não chegará na cabeça daqueles que não a desejam. Não acho que seja por falta de oportunidade. Acho que deve ser uma coisa mesmo instintiva. Tem gente que se interessa por cultura, conhecimento, e outras não, preferem viver de prazeres que dêem menos trabalho ao cérebro. (Faz tanto sentido como pensar que algumas pessoas gostam de brócolis, e outras não, como o Bush. Pra quem já viu a vinheta da MTV)

No final, como sempre, a mulher aconselha ao homem a incentivar sua filha a estudar, já que ele mesmo se eximiu de qualquer necessidade de estudo. Ele pensa, “eu não estudei, tenho 39 anos e não me adianta mais estudar, mas digo a minha filha pra ela estudar para ser alguém na vida”.

5 Comments:

At 11:13 AM, Anonymous lefabuleuxdestin said...

me alegro que te gusten las fotos!
pásate cuando quieras!

saludos!! :)

 
At 2:49 PM, Blogger Paulo Galvez said...

Concordo com você sobre toda história de líderes ser fantasiosa - e não importa se políticos, religiosos ou qualquer outra coisa. Ando com uma impaciência danada com essas pessoas que emitem sua opinião e não aceitem que você conteste. Fiquem quietas, então. Agora, sobre esse post seu, sabe, eu odeio quem fala mal de brasileiro ou do Brasil. Mas eu mesmo estou me impacientando com esse país. Será que não vamos evoluir nunca? algumas experiências fazem a gente pensar isso. Essa semana mesmo, que andei bastante de ônibus: achei um absurdo, as pessoas tentarem embarcar no local de desembarque só pra entrar antes das outras, que estão bem ao lado, esperando na fila. Ou o motorista que, mesmo com o ônibus vazio, não pára, por peguiça, no ponto pra, no caso, eu descer e outros embarcarem (azar o dele: trabalho na prefeitura e liguei na hora pra companhia de transporte). Mas, enfim: será só o Brasil ou a humanidade inteira?

 
At 11:00 AM, Anonymous  said...

Você é muito peculiar...e acho que essas suas perdas e "achados" de otimismo e ânimo, são coisas típicas de curingas...

 
At 11:00 AM, Anonymous  said...

Você é muito peculiar...e acho que essas suas perdas e "achados" de otimismo e ânimo, são coisas típicas de curingas...

 
At 11:16 PM, Anonymous nove canciones said...

eu não tenho esperanças mesmo. admito.
às vezes queria ser A-ignorante e pronto. seria mto mais fácil. "ignorance is bliss" way of life.
mas não dá! é difícil.
e essas pessoas que querem criar discussões no ônibus que explodam, pq eu quero dormir no meu caminho pra casa.
hahaha

 

Postar um comentário

<< Home